O amor pelos animais que não se mede

0

Como um grupo de amigos se uniu para ajudar animais abandonados e em situações de vulnerabilidade

Tudo começou com ‘Robertão’. No início de um final de semana, a professora Simone Gheller, estava em sua casa, quando notou um cachorro deitado em baixo do caminhão estacionado em sua garagem. Logo percebeu que o cachorro estava machucado, Simone que tem um amor incondicional aos animais percebeu que deveria socorrer e juntamente com seu marido cuidaram, durante todo o fim de semana, do cachorro que carinhosamente foi apelidado de Robertão.

Na segunda-feira, Simone ligou para sua amiga Loiva Rosseto, que a ajudou a leva-lo até um veterinário, para que pudesse ser examinado. As fraturas eram graves, pois Robertão havia sido atropelado. Ele precisaria de cirurgia, e de um local apropriado para se curar, porém não dispondo deste local para ele ser internado, e muito menos recursos, Robertão se curou sozinho, mas não lhe faltou cuidado, carinho e amor das duas amigas.

Robertão, aproximou Simone e Loiva, que a partir daí, começaram a recolher e ajudar animais machucados e indefesos, que andam pelas ruas de Trindade do Sul. De certa forma, ambas já faziam esse trabalho, mas era um trabalho solitário, que depois de Robertão começou a formar um grupo de voluntários, que auxiliam, acolhem e destinam para um novo lar, animais abandonados, indefesos em ambientes vulneráveis.

O que une estas pessoas é o amor incondicional aos animais, independente se ele for feio, bonito, de raça, ou vira lata, doente ou não. Por que, para esse grupo, é impossível odiar um animal, eles são criaturas inocentes, que só irão retribuir com mais amor, tudo aquilo que for feito para eles.

Depois de Robertão, houveram muitos outros, o José, o Princeso, o Snop, a Clarinha, o Leão, a Mel, dentre tantos outros, que é impossível numerar. Muitos deles estão em um novo lar, como Cacau, que a dois anos vive na casa de Loiva. Alguns infelizmente já partiram, mas o trabalho desse grupo, só tende a continuar e aumentar, para poder salvar ainda mais animais.

Como era Cacau antes de ser resgatada, e como está hoje com sua nova dona. Foto: arquivo pessoal Rafaeli Rosseto.

A esquerda, está Mel, e a direita, o antes e depois de Snop.

O grande sonho de todos eles, é a formação de uma ONG, para acolher, dar assistência médico veterinária, e dar muito carinho aos animais abandonas, maltratados, perdidos pelas ruas. A importância de uma ONG, seria no sentido de ser mais fácil juntar recursos para o tratamento e a alimentação desses animais, que até então é custeado do próprio bolso dos voluntários, e algumas vezes, de arrecadações dos amigos e conhecidos, que compartilham do mesmo amor pelos animais.

Políticas públicas voltadas aos animais ganham destaque na Câmara de Vereadores do município

Nos últimos dias, por meio das redes sociais o vereador Rogério Porto trouxe a público um Projeto de Lei, protocolado na Câmara de Vereadores, na última terça feira (08/01/19), que cria políticas públicas do bem estar animal.

Este projeto tem como objetivo criar e definir políticas públicas de bem estar animal, além de aplicar multas, para quem maltratar ou abandonar animais em Trindade do Sul, também pretende conscientizar a comunidade em geral sobre a posse responsável, para que a população possa coibir e denunciar maus tratos aos órgãos públicos responsáveis, e estimular o respeito e a solidariedade sobre a questão animal.

O projeto determina a instituição da política de Bem Estar Animal, tendo como controlador á Secretaria da Agricultura, do Meio Ambiente e do setor de Vigilância Sanitária e deverá ser votado nas primeiras Sessões na Câmara de Vereadores, após o recesso de Janeiro do Poder Legislativo

Foto: Facebook do vereador

Segundo o idealizador projeto, o vereador Rogério Porto, é alarmante o grande número de animais abandonados no município, e também chamou muito a sua atenção a crescente preocupação de algumas pessoas da comunidade, com relação ao tema. O vereador também acredita que não haverá problemas na aprovação do projeto, tanto na câmara de vereadores, quanto para o prefeito em exercício sancionar, posteriormente é só colocar o projeto em prática, tendo em vista o grande número de pessoas que se interessam e se conscientizam sobre o assunto.

Compartilhar

Deixe uma resposta