Guerrero marca na estreia, Inter vence o Caxias e vai à final do Gauchão

0

Colorado aguarda Grêmio ou São Luiz.

Inter de Paolo Guerrero está na final do Gauchão. Na tarde deste sábado (6), o Inter bateu o Caxias por 2 a 0, com gols do estreante atacante peruano e de Guilherme Parede, e avançou à decisão do Gauchão — no placar agregado do mata-mata, Inter 4×1 Caxias. Grêmio ou São Luiz (a decisão será neste domingo, na Arena) será o adversário, com datas provisórias dos jogos para 14 e 17 de abril se for Gre-Nal, 14 e 21 de abril se for contra o time de Ijuí. Na terça-feira, o Inter volta à Libertadores, quando receberá em casa o Palestino.

Antes da estreia de Guerrero, a festa foi pelo aniversário de 50 anos do Beira-Rio. Foram homenageados em campo Valdomiro, Bibiano Pontes, Bráulio e Dorinho, jogadores daquele Inter que em 6 de abril de 1969 venceu o Benfica de Eusébio na inauguração do estádio. 

Camisa 9 às costas, Guerrero fez até a barba para jogar. Durante a execução dos hinos, gaúcho e nacional, estava com o olhar tão focado como se o Caxias a ser enfrentado fosse o Barcelona, o Real Madrid, a Juventus de Cristiano Ronaldo. Com a bola rolando, a simples presença do atacante peruano nas cercanias da área já parecia colocar a defesa caxiense em estado de alerta. Ainda com a natural falta de ritmo de quem ficou mais de oito meses sem poder disputar uma partida profissional, Guerrero em seus primeiros minutos de colorado, deu passes, distribuiu o jogo, fez parede, e trabalhou numa curta faixa de campo, da intermediária de ataque à área adversária. 

Superior em campo, o Inter marcou logo aos dois minutos, com Parede, após assistência de Sarrafiore, mas o gol foi anulado por impedimento. Com Guerrero à frente, Parede pareceu crescer. Aos oito minutos, bateu forte a gol e por pouco não marcou. Depois do choque inicial, o Caxias se ajeitou em campo, marcou a saída de bola do Inter, e equilibrou as ações. Aos poucos, Sarrafiore e Parede passaram a se destacar. Aos 21, tabelaram em frente à área, e o argentino bateu forte, para boa defesa de Cetin. 

O Inter voltou a carga logo depois dos 30 minutos. Camilo chutou de fora da área e Cetin espalmou a escanteio. Camilo cobrou o escanteio e Guerrero se antecipou à defesa, esticou a perna, bateu a gol, o goleiro Cetin já estava vencido, mas Diniz salvou sobre a linha.

Aos 36 minutos, um momento para ficar na história do cinquentenário Beira-Rio. Camilo cobrou escanteio e Paolo Guerrero, quase na marca do pênalti, saltou para cabecear, vencer o goleiro do Caxias, e marcar o seu primeiro gol com a camisa do Inter. Ato contínuo, após marcar na goleira do Gigantinho, Guerrero correu para os braços da massa na social — e foi soterrado pelos demais jogadores, na comemoração. O gol de Guerrero foi o de número 3.013 do Inter no Beira-Rio. 

É bem verdade que o Caxias está longe, muito longe de ser um River Plate, mas Camilo, Sarrafiore e Parede — além de Guerrero, por óbvio – fizeram o setor ofensivo do time fluir bem mais que a formação titular. O primeiro tempo chegou ao fim com o Inter vencendo por 1 a 0, mas com um volume de jogo de quem poderia estar goelando.

— Eu estava com muita saudade. Meus agradecimentos à torcida, e ao Inter como um todo, pelo acolhimento. Só quero focar em jogar agora. A minha vida é o futebol e só quero jogar futebol. Não quero mais falar disto (da suspensão por doping) — disse Guerrero, no intervalo.

No segundo tempo, com a vaga encaminhada, o Inter reduziu a pressão, e o Caxias partiu para o tudo ou nada. E deu espaço aso contra-ataques. Sarrafiore perdeu um gol concluindo na trave, após cruzamento de Uendel. Aos 23 minutos, Marcelo Lomba lançou a bola cerca de 50 metros para Parede que, contando com a furada de Foguinho, correu do meio-campo à área, enquadrou o corpo, olhou para Jonatan Alvez, mas preferiu chutar a gol. decisão certa: Inter 2 a 0.

O que fica deste novo Inter que ruma à final do Gauchão é: a partir de agora, o Inter é Guerrero e mais 10.

Fonte: Gaúcha ZH

Compartilhar

Deixe uma resposta